Itibam Business

Funil de Vendas – o que é e como estruturar

Funil de Vendas – o que é e como estruturar

Quer vender mais? Pois saiba que ter um funil de vendas bem estabelecido também é importante em qualquer operação comercial, principalmente no modelo B2B, sendo essa uma parte essencial e principal de um processo comercial. É o cerne de um processo comercial.

O processo de funil de vendas se resume ao fluxo na qual uma oportunidade com determinado cliente percorre até efetivamente concluir a compra. É muito comum se enganarem, confundindo funil de vendas com o de marketing, mas são muito diferentes. Na internet atualmente se tem muito conteúdo, principalmente e-books, falando que são relacionados a vendas, mas que na realidade está mais associado a materiais de captação e alimentação de leads.

Deste modo, é essencial entender que esses dois tipos de ações trabalham juntas para a consolidação dos negócios, mas devem ser tratadas de formas distintas. A empresa tem que imaginar que para conquistar um cliente o primeiro funil que deve desenvolver é o de marketing, que é o de atração. Ou seja, fazer com que a pessoa conheça, se interesse e tenha desejo pelo produto ou serviço.

Com isso feito, entra em ação os processos relacionados a vendas, que tem como objetivo a conversão, venda, geração de caixa e faturamento. Assim, em uma visão mais estruturada se tem a ideia de que as ações relacionadas ao marketing levam a um novo processo relacionado as vendas.

As ações de um funil de vendas devem ser projetadas para o fechamento de negócios, algo que é mais complexo, demandando um maior trabalho na área de serviços ou em ações B2B. Em vendas simples ou varejo não se aplica esse tipo de ação, contando apenas com ações de marketing, sendo que o ciclo é pequeno e rápido.

 

Como estruturar o Funil de Vendas

O primeiro passa para planejar um funil de venda para um negócio é acompanhar todo o percurso que a oportunidade ou o cliente percorre, desde o início até a consolidação da venda. A área comercial deve mapear o processo e criar as etapas, ou seja, planejar o funil de acordo com o seu processo.

Veja um exemplo: o lead chega pelo marketing digital, e depois ele é contatado pelo assistente de vendas. Passando pela qualificação, esse faz uma primeira avaliação, definindo se o cliente está no momento para ser entregue ao vendedor.

A partir desse ponto o vendedor inicia o atendimento, analisando a oportunidade e, se o cliente manifestar a necessidade, o vendedor avança para uma visita ou contato. Nesse caso, se observa que a oportunidade está mais concreta e o vendedor faz a proposta, apresentando essa e depois abrindo a negociação. Com isso, há todo um processo de esquentar a proposta até alcançar a fase de fechamento. Sendo assim, veja como ficaria a trajetória:

Entrada lead -> Qualificação -> Abordagem vendedor -> Levantamento das necessidades – > Visita inicial -> Proposta -> Negociação -> Fechamento e ganho.

Importante observar que o funil não tem nada a ver com abordagem, isso é outro ponto a ser desenvolvido pelo vendedor. Essa ferramenta ajuda no fluxo, nos controles, no processo e na gestão de uma venda.

 

Veja acertos e erros relacionados ao funil de vendas

Erros:

  • Não ter estruturado esse tipo de processo;
  • Não controlar por fases/estágios;
  • Ter todas as propostas/oportunidades no mesmo estágio;
  • Não medir os resultados e taxas.

Acertos:

  • Ter esse processo estruturado mesmo que de forma simples (lembrando que não tem como todas as propostas estarem no mesmo estágio);
  • Ter disciplina para controlar o processo;
  • Respeitar o processo desenhado;
  • Ter um processo simples e alinhado com a realidade da empresa.

 

Para finalizar esse processo de funil de vendas é fundamental saber como mensurar os resultados ou ajustar a rota. Para isso é preciso criar critérios de passagens de etapas, definindo indicadores de operação, de gestão e indicadores meio e fim. Com isso, a venda com certeza se mostrará mais simples e os resultados serão melhores.

Fechar Menu